20º DIA – JEJUM DE ESTER

20º Dia – 23/Julho/2016 – SAIR DA ESCRAVIDÃO FINANCEIRA – Et. 9:1 - Ester foi uma mulher

19º DIA – JEJUM DE ESTER

19º Dia – 22/Julho/2016 –QUEBRAR AS SENTENÇAS NO MUNDO ESPIRITUAL – Jo 13:1-11 - A atitude d

18º DIA – JEJUM DE ESTER

18º Dia – 21/Julho/2016 – LUTAR PELA FAMÍLIA – Et. 9:2 - Só se vence quando se tem uma alia

 

JEJUM DE ISAÍAS – 4º DIA – 24/01/2013

janeiro 23, 2013 in Pra Cristina Medeiros

4º DIA. VERSÍCULOS 06, 07 E 08:

“Porventura não é este o jejum que escolhi, que soltes as ligaduras da impiedade, que desfaças as ataduras do jugo e que deixes livres os oprimidos, e despedaces todo o jugo? Porventura não é também que repartas o teu pão com o faminto, e recolhas em casa os pobres abandonados; e, quando vires o nu, o cubras, e não te escondas da tua carne? Então romperá a tua luz como a alva, e a tua cura apressadamente brotará, e a tua justiça irá adiante de ti, e a glória do SENHOR será a tua retaguarda.” Isaías 58:6-8

Ontem vimos sobre o jejum que desagrada a Deus, em que entram principalmente as ações exteriores, e não do íntimo, apenas para outros verem, se tornando uma falsa humildade. Há um texto em Joel 2:13 que corrobora tal entendimento sobre o jejum, afirmando: “Rasguem o coração, e não as vestes”. Já em Salmos 51:17, Davi afirma que “Os sacrifícios que agradam a Deus são um espírito  quebrantado;   um   coração   quebrantado   e   contrito,   ó   Deus,   não   desprezarás.”

Agora partiremos para o jejum que agrada a Deus. Como nos dias anteriores, iremos separar por temas para um melhor aproveitamento dos princípios ali contidos:

“ que soltes as ligaduras da impiedade”: Com essas palavras em mente, podemos reler esse trecho da seguinte forma: “Rompa com os laços que te prendem ao erro, ao pecado, à falta de retidão, à maneira de negociar fraudulentamente”. É muito forte se pensarmos que a pessoa pode estar negociando com Deus através de fraudes, no caso o jejum!  A primeira regra de Isaías transforma o ato de jejuar em um ato de viver fielmente, ou seja, em total obediência ao SENHOR e aos seus princípios, algo muito mais profundo para nós, hoje, que estamos sob a luz da Graça de Jesus, que prega essa mesma mensagem, principalmente com relação a morrer para si e viver para Ele. Esse trecho confirma o que vimos em Salmos 26:1: “Faze­me justiça, SENHOR, pois tenho vivido com integridade.”

 “Desfaças as ataduras da servidão”: Poderíamos traduzir essa atitude como “desamarre toda corda que te prende àquilo que pode ser fortemente abalado”.

Hebreus 12:26-27 nos diz que “Aquele cuja voz outrora abalou a terra, agora promete: ‘Ainda uma vez abalarei não apenas a terra, mas também o céu”. As palavras ‘ainda uma vez indicam a remoção do que pode ser abalado, isto é, coisas criadas, de forma que permaneça o que não pode ser abalado”.  Esses laços que temos com coisas abaláveis devem ser desamarrados, pois são coisas que nos oprimem, nos transformam em escravos e tem gerado um peso desnecessário (as vezes um peso que nós mesmos desejamos carregar por ser algo cômodo ou o qual já estamos acostumados).

 “Deixes livres os oprimidos”: Podemos entender essa frase da seguinte forma: “deixe de esmagar aqueles que você oprime”, como se fosse um pedido de Deus para que um não oprimisse mais o outro, ou seja, sem mais discórdias, deixando os oprimidos em paz, livres.

“Despedaces todo jugo”: A palavra para jugo é a mesma vista acima para servidão. Devemos, então, não apenas romper os laços com aquilo que tem sido abalável em nossas vidas, mas também destruí-los completamente, quebrá-los, para que não sejam novamente colocados em nossos ombros e passemos a sofrer mais uma vez.

O grande ensinamento por trás de Isaías 58.6 é que a preocupação primária do SENHOR é que cada um de nós, como indivíduos, como Filhos de um Deus Santo, alcancemos a transformação do caráter  para o bem, que tanto caracteriza a pessoa desse Deus.

No versículo sete veremos atitudes que devem ser feitas ao próximo, tendo relação direta com outras pessoas. Utilizam as aplicações do jejum tradicional (o deixar de comer, o trocar de roupas, o de se humilhar) por atitudes com esses mesmos princípios.

 “Repartas o teu pão com o faminto”: Ao invés de deixarmos o alimento de lado, mas para comermos quando encerrarmos o jejum, devemos repartir com aqueles que não tem o que comer, ou seja, coma um pouco menos, mas  não fique sem comer, contanto que o que sobrar seja repartido com o faminto.

“Recolhas em casa os pobres desabrigados”: Este aqui é como se fosse a soma das três outras atitudes do versículo: recolher em casa quer dizer que devemos alimentá­los, dar de vestir e nos humilharmos (para dizer que uma pessoa é bem vinda em seu lar, os judeus lavavam os pés dos visitantes).

Se vires o nu, o cubras”: De que adianta usar roupas de pano de saco sendo que terá algo para vestir após o jejum, enquanto há pessoas nuas que podem morrer de frio a qualquer momento? Deus confronta tal visão ao dizer que seria melhor repartir as roupas ao invés de trocá­las por panos de saco por algum tempo.

 “Não te escondas do teu semelhante”: Às vezes há pessoas que não gostam de outras, o que as leva a evitá­las. Deus pede para que nos humilhemos e paguemos um preço ao estar com elas, não nos escondendo. Isso tem maior valor do que jejuar sozinho, em casa, sem gastar tempo com o semelhante. Esse semelhante seria alguém “da mesma carne”, ou seja, do mesmo povo. Hoje, como cidadãos do Reino, nosso povo são todos os santos que aderiram a Cristo e Sua causa. Dessa forma, devemos estar próximos uns dos outros, sem nos esconder.

Podemos ligar diretamente com Mateus 25:31­-46: É um texto um tanto quanto longo, é verdade, mas confirma as atitudes do versículo 7. A promessa para quem cumpri­las é poder tomar posse do Reino! Aleluia! Devemos realizar isso a todos aqueles que são Filhos do Pai, isto é, todos os santos que aderiram à Cristo. Dessa forma fica claro o cuidado que temos que ter uns pelos outros, até mesmo por aqueles que nem conhecemos. Mas e se não quisermos cumprir? O castigo eterno nos espera. O que era apenas para o jejum acabou se tornando de tão grande importância que pode nos tirar do céu!

Chegamos ao ponto crucial. O versículo 8 começa com a palavra “Então”, é claro ver que as promessas em Isaías 58 só virão caso se cumpra tudo o que está nos versículos anteriores, a saber, o 6 e o 7. Se cumprirmos aqueles princípios, então “nossa luz romperá como a alva”, então “a tua cura brotará sem detença”, então “ a tua justiça irá adiante de ti”, então “a glória do SENHOR será a tua retaguarda”. Vamos analisar trecho por trecho e entender de que forma seremos abençoados se fizermos o jejum da maneira que agrada a Deus:

“Romperá a tua luz como a alva”: Assim, podemos dizer que nossa vida irá explodir os limites físicos do corpo, trazendo luz para outros, ou seja, alegria e bênçãos. Dessa forma os demais verão a presença de Deus em nós, assim como o favor dele, e não através de um jejum exibicionista.

 “A tua cura brotará sem detença”: Significa que nossa cura e restauração será efetivada rapidamente logo depois de cumprirmos e vivermos aqueles princípios acima.

 “A tua justiça irá adiante de ti”: Se somos íntegros significa que temos fé em Deus e nas coisas que Ele faz, cremos que ele irá honrar cada detalhe da Sua Aliança conosco, por isso nos alegramos de cumprir o que ele pediu, vivendo uma vida íntegra. São esses frutos que irão a nossa frente, dando testemunho de quem somos nós. Não são nossas palavras, nossas roupas, nossa fé, nossa maneira de jejuar, mas sim sermos íntegros.

“A glória do SENHOR será a tua retaguarda”: Ao contrário do que muitas vezes oramos Deus não vai à nossa frente. Se obedecermos, ele irá conosco, sim, mas na retaguarda, com toda a Sua glória e honra, como se nos impulsionasse ou ainda mostrasse o caminho, embora tenhamos que dar os passos, e não apenas segui-lo. Traz um nível de maior responsabilidade, pois se deixarmos de ser retos e justos, perderemos aquilo que vai a nossa frente, e Deus nada poderá fazer, pois quebramos alguns princípios.

Para resumir o que vimos até aqui, jejum não deve ser algo exterior, para que os demais vejam, mas sim interior, de uma forma que demonstre nossas mudanças. Essas mudanças se dão por diferentes atitudes assim como cuidado e zelo para com o próximo, deixando de comer e se vestir para dar ao próximo, assim como se humilhando para não criar contenda com o outro. Apenas dessa forma as bênçãos virão, que será a cura, a presença de Deus em nós, integridade que anda a nossa frente e a glória de Deus que nos cobre as costas.

4º DIA (quinta) – 24/01/2013

Espiritual: Falar com Deus ao começar o dia, pelo menos 5 minutos. Ler Salmo 143:10 e orar pedindo a Deus que a vontade d’Ele seja feita em você.

Relacional: Nessa tarefa, você buscará ser prestativo, gentil, útil a alguém que esteja precisando de ajuda, ainda que pequena. Diz em Provérbios 3.27: Não te furtes a fazer o bem a quem de direito,  estando na tua mão o poder de fazê-lo. Faça um ato de bondade a um familiar, um amigo, ou um estranho.

Um conselho: Tirar tempo para ouvir uma pessoa que passa por um momento difícil, um favor, ajudar alguém no trabalho ou nas tarefas de casa — são alguns exemplos.

Jejum: Comer duas frutas de sua escolha. (ALÉM DA SUA COMIDA NORMAL)

 

JEJUM DE ISAÍAS – 3º DIA – 23/01/2013

janeiro 23, 2013 in Pra Cristina Medeiros

3º DIA. VERSÍCULOS 05 E 06:

“Seria este o jejum que eu escolheria, que o homem um dia aflija a sua alma, que incline a sua cabeça como o junco, e estenda debaixo de si saco e cinza? Chamarias tu a isto jejum e dia aprazível ao SENHOR?  Porventura não é este o jejum que escolhi, que soltes as ligaduras da impiedade, que desfaças as ataduras do jugo e que deixes livres os oprimidos, e despedaces todo o jugo?”  Isaías 58:5-6

Finalmente nosso texto nos trouxe ao ponto em questão. Qual o jejum que o SENHOR deseja?

O versículo cinco nos fala um pouco mais sobre o que não é jejum, o sexto inicia uma série de observações sobre qual é a real vontade do nosso Deus em relação a esse tema.

O versículo cinco dá a entender alguns aspectos rituais do jejum para os judeus. São eles:

• Humilhar­se por um dia;

• Andar de cabeça inclinada;

• Deitar­se (ou vestir­se com) pano de saco e cinzas.

Ao que tudo indica, o humilhar faz parte do padrão do Antigo Testamento para o Jejum, um forte sentimento de sujeição a Deus, dependência da parte dele. Assim, o Jejum no Antigo Testamento fala de uma inversão de valores. Espiritualmente, aquele que se prestava a jejuar lembrava continuamente que seu relacionamento com Deus era mais importante do que aquilo que ele considerava importante. Isso é inclinar a cabeça como o junco. O humilhar era demonstrado com o vestir de panos de saco e lançando cinzas sobre si. Era uma demonstração do despojar das coisas desse mundo, como dito acima, onde só Deus importava. As cinzas representavam a queima da carne (essas cinzas eram retiradas dos sacrifícios, após terem sido totalmente queimados), ou seja, a morte das nossas vontades e desejos, do nosso eu.

Podemos perceber que todas essas eram atitudes que qualquer um poderia ver, não é mesmo? Todos veriam sua pobre vestimenta, sua cabeça coberta de cinzas, seu rosto triste, sua postura reclinada, tudo isso em sinal de auto humilhação perante os demais.

Mas, de que adianta ter atitudes exteriores como essas se no nosso íntimo estamos cheios de orgulho e arrogância, pensando apenas em nós mesmos, em como somos mais santos por praticarmos esses atos? Isso tudo nos remete ao texto sobre o fariseu e o publicano. O fariseu, no seu íntimo, se achava melhor que os demais por jejuar duas vezes na semana. Tinha uma aparência de humildade, mas era um jejum para ele mesmo, ou até pior, um jejum para mostrar para os outros!

Um texto um tanto quanto auto explicativo para o tema que estamos tratando está em Mateus 6:16­18, palavras de Jesus sobre como devemos agir quando jejuamos.

Vamos procurar compreender o panorama geral do Antigo Testamento no que se refere ao Jejum.

2º Samuel 12.2 temos o exemplo do Rei Davi. A história é bastante conhecida, ele não só havia adulterado, mas também assassinado o marido daquela com quem pecou. Como castigo por seu comportamento maldoso a criança, fruto de seu pecado, não sobreviveu. Para tentar reverter esse quadro o rei jejuou e passou uma noite inteira deitado no chão. Em suas próprias palavras: “Enquanto a criança estava viva, jejuei e orei. Eu pensava: Quem sabe? Talvez o SENHOR tenha misericórdia de mim e deixe a criança viver”. Temos aí uma clara indicação de que um dos motivos de jejum no Antigo Testamento era fazer com que a “misericórdia” de Deus se movesse em direção a uma pessoa e sua causa. Davi havia desobedecido gravemente ao SENHOR, logo, não havia possibilidade de Deus agir com benevolência e retirar sua justa punição por dois terríveis pecados que o Rei havia cometido.

Mais uma vez a obediência teria evitado a desgraça, e não o jejum.

Em Juízes, capítulo 20, temos a primeira aparição da palavra hebraica para jejum na Bíblia, em um de seus episódios mais lamentáveis. Houve, nesta ocasião, uma guerra interna, entre as tribos de Israel. Os de Benjamim haviam encoberto um crime terrível, e por isso os demais israelitas marcharam contra eles. Após muitas baixas as onze tribos estavam perdendo a guerra, por isso resolveram buscar orientação de Deus. Eles se reuniram diante da Arca da Aliança, em Betel, e ali jejuaram por um dia inteiro, até o fim da tarde, oferecendo sacrifícios no Tabernáculo. O objetivo desse jejum nacional era claro, obter a orientação de Deus para um assunto específico, esperar a resposta do SENHOR.

Para compreender o texto de Juízes devemos dividi­lo em partes, vamos ao texto:

Então todos os filhos de Israel, e todo o povo, subiram, e vieram a Betel e choraram, e estiveram ali perante o SENHOR, e jejuaram aquele dia até à tarde; e ofereceram holocaustos e ofertas pacíficas perante o SENHOR.

Em partes:

(1). “todos os filhos de Israel, e todo o povo, subiram, e vieram a Betel e choraram” — ou seja, havia unanimidade em toda a nação para a busca da vontade de Deus.

(2). “e estiveram ali perante o SENHOR” — havia um desejo e um compromisso nacional por buscar a face de Deus.

(3). “e jejuaram aquele dia até à tarde” — esse foi o jejum em si, como vimos no texto de Isaías, essa era uma forma de se humilhar perante o Todo Poderoso.

(4). “e ofereceram holocaustos e ofertas pacíficas perante o SENHOR” — havia voluntariedade, ou seja, doação por parte dos filhos de Israel.

A história conta que o SENHOR os ouviu, e lhes deu vitória sobre seus inimigos naquele dia. Numa leitura superficial poderíamos com facilidade interpretar esse fato como resultado ou benefício do jejum, mas destrinchando o texto encontramos uma série de fatores ponderantes para a assistência divina. Vemos que unidade, intimidade, jejum e entrega foram os quatro motivos que levaram Deus a  respondê­los.

Nos detivemos nesse texto porque ele parece ter trazido a primeira indicação de um jejum biblicamente válido. E também porque ele nos diz algo sobre a possibilidade de, como Igreja, repetir a atitude do povo de Israel. Nos próximos dias, ao analisarmos a prática bíblica do jejum, vamos nos deter nesse ponto.

Em Joel 1:13-14 os motivos do jejum são diferentes de juízes. O SENHOR decretou juízo contra o reino de Judá, uma praga de gafanhotos destruiria suas plantações, toda a agricultura nacional seria prejudicada, assim a nação seria inevitavelmente assolada pela fome. Diante disso o profeta conclama a nação ao arrependimento: Ponham vestes de luto, ó sacerdotes, e pranteiem; chorem alto, vocês que ministram perante o altar. Venham, passem a noite vestidos de luto, vocês que ministram perante o meu Deus; pois as ofertas de cereal e as ofertas derramadas foram suprimidas no templo do seu Deus. Decretem um jejum santo; convoquem uma assembléia sagrada. Reúnam as autoridades e todos os habitantes do país no templo do SENHOR, o seu Deus, e clamem ao SENHOR.

Em 1 Pedro 2.9; Apocalipse 1.6 e 5.10 a Bíblia deixa claro sobre quem são, nos tempos da Igreja, os “sacerdotes”: cada um de nós, crentes em Cristo. Isso nos apresenta uma outra ocasião sobre a prática de jejum bíblico válida para nossos dias. Diante da calamidade da nação os Sacerdotes devem clamar a Deus pelo povo. Nesses versículos podemos mais uma vez notar a presença dos elementos de Juízes, unanimidade, comunhão com Deus, sacrifícios. Parece que estamos encontrando um padrão, mas vamos aos próximos exemplos citados.

(1 Samuel 31.13);  (Neemias 1.4); (Ester 4.3); (Salmos 35.13­14)

Em todas as passagens os jejuns são motivados por uma tristeza profunda. Em Samuel a origem da tristeza é o luto, e portanto trata de uma abstinência alimentar completamente natural. Neemias, Ester e Salmos parecem concordar de certa maneira com o texto de Joel, e os personagens jejuaram devido a um grave problema.

Em 1º Samuel 7.6; 1º Reis 21.27; Neemias 9.1,2; Daniel 9.3,4 e Jonas 3.5­8 o contexto é de humilhação e arrependimento por erros cometidos. Aprendemos que, nesse caso, o sacrifício de Jesus foi suficiente para nos livrar de todo o pecado.

O jejum de Moisés no Monte Sinai foi um milagre do SENHOR, uma vez que ninguém seria capaz de permanecer quarenta dias sem alimento algum. O caso de Davi foi examinado. Resta­nos então dois textos: (2 Crônicas 20.3­4); (Esdras 8.21­23).

São dois casos em que o jejum parece ser de humilhação em busca da proteção de Deus. Com os versículos estudados em mente podemos finalmente voltar a Isaías 58.5. Recordemo­nos dos tópicos analisados ali:

• Humilhar­-se por um dia;

• Andar de cabeça inclinada;

• Deitar­-se (ou vestir­-se com) pano de saco e cinzas.

Podemos resumir as principais motivações para a realização do jejum à luz das passagens estudadas:

• Humilhação diante de Deus;

• Busca da vontade do SENHOR;

• Intercessão pelos pecados da nação;

• Luto ou tristeza extrema por uma perda recente;

• Pedido de proteção ou ajuda.

Isso responde nossas dúvidas sobre quais os motivos que levariam alguém a empreender um jejum, mas não esclarece sobre a maneira correta de se realizar o jejum. Aguarde até amanhã.

TAREFAS PARA O JEJUM DE ISAÍAS   

3º DIA (quarta) – 23/01/2013

Espiritual:  Comece o dia meditando em Hebreus 11:1-6, seguido de uma oração.

Relacional: Limpar o coração: tem tido qualquer sentimento ruim contra alguém? Elimine isso. Perdoe.

-Aproveite e elimine coisas do seu guarda-roupa, doe para pessoas que necessitam.

Jejum:  Não coma hoje nenhum tipo de fritura.

 

JEJUM DE ISAÍAS – 2º DIA – 22/01/2013

janeiro 21, 2013 in Pra Cristina Medeiros

2º DIA. VERSÍCULOS 03 E 04:

“Dizendo: Por que jejuamos nós, e tu não atentas para isso? Por que afligimos as nossas almas, e tu não o sabes? Eis que no dia em que jejuais achais o vosso próprio contentamento, e requereis todo o vosso trabalho. Eis que para contendas e debates jejuais, e para ferirdes com punho iníquo; não jejueis como hoje, para fazer ouvir a vossa voz no alto.” Isaías 58:3-4

Existem pessoas que ousam chegar junto a Deus, exigindo de sua parte uma resposta, mas não tem compromisso nenhum com os preceitos mais caros a nosso SENHOR. O versículo três começa com uma realidade terrível: há quem utilize o jejum ou outras formas de devoção religiosa como moeda de  troca com Deus. E essa é a primeira coisa que o texto de Isaías nos ensina sobre o que não é jejum. Jejuar não é uma forma de barganha espiritual. Deus não vai nos ouvir ou deixar de nos ouvir se jejuarmos ou não. O jejum não abre os céus para que tenhamos uma atenção especial do SENHOR. É justamente essa motivação errada que o autor dessa passagem começa atacando.

Jesus narra, em Lucas 18:9-­15, uma parábola sobre dois homens que subiram pra orar no templo: um fariseu e outro publicano. O fariseu se gabava de todos os seus feitos, inclusive o jejum, que realizava duas vezes por semana. Era uma oração orgulhosa, e o pior, era realizada no íntimo, oculto de todos, com exceção de Deus. Era grato por dar o dízimo de tudo quanto ganhava. Por outro lado, o publicano nem ao menos chegou perto do templo tamanha vergonha, “nem ousava olhar para o céu”. Apenas dizia: “Deus, tem misericórdia de mim que sou pecador.” Os publicanos eram odiados por todo o povo (por exemplo, em Mateus 9:10,11). Eles eram cobradores de impostos. Os judeus consideravam o dinheiro vindo de um cobrador como impuro, tanto que nem os dízimos podiam dar, ao contrário do fariseu que se orgulhava disso. Jesus, ao fim, disse que o publicano, e não o fariseu fora justificado pela sua humildade, pois “quem se humilha será exaltado”.

Na época de Isaías muitos estavam jejuando como se fosse uma disputa de quem agüentava mais tempo sem comer, ou ainda quem obtia mais bênçãos do SENHOR. Quando jejuavam, não faziam mais nada, exigiam que outros fizessem seus trabalhos. Muito interessante que a parábola narrada pelo SENHOR Jesus se assemelha ao contexto de Isaías. Pessoas querendo parecer mais justas e santas, melhores que as demais. No fim do versículo 4, Deus fala que jejuando dessa forma, “não se fará ouvir a vossa voz do alto”.

Segundo o texto de Levítico 16: 29-31, o Jejum servia para a purificação dos pecados do povo judeu. Através de Cristo o pecado foi de uma vez por todas derrotado, e os nossos são perdoados unicamente pelo sangue de Jesus, logo não é bíblico pregar que o jejum serve para a santificação ou purificação de pecados. Trazendo o texto de Isaías para nossa realidade, é errado buscar santidade através de um ritual, por mais sincero que ele seja. Só uma real entrega à pessoa do SENHOR Jesus e total obediência as suas ordens, expressas na Palavra de Deus, podem nos levar a santificação. Ou seja, é o cumprimento da vontade de Deus que nos torna santos diante dele. É a obediência que nos faz chegar diante de sua presença, ouvir e ser ouvido. Era justamente essa a reclamação de Isaías a respeito do povo. No versículo três eles alegam não ter respostas da parte de Deus, e Deus se defende dizendo que durante o jejum o povo se preocupa apenas com seus próprios interesses.

“Perto está o SENHOR de todos os que o invocam, de todos os que o invocam em verdade.” Salmos 145:18. É lindo ver, no livro de Salmos, as muitas passagens em que os autores clamam a Deus usando sua maneira de viver como argumento para serem ouvidos. Não eram palavras vãs, mas uma vida íntegra, de obediência, sinceridade e submissão à vontade do pai. É desses que Deus está perto, é aqueles que O temem que Ele protege!

A lição que aprendemos hoje é bastante simples: somente através de uma vida reta, um comportamento obediente, seremos santos e teremos condições de sermos ouvidos por Deus. Não importa o que seja feito, um jejum, uma grande oferta, um sacrifício por maior que seja, nada disso pode nos aproximar do Pai, nada além de nos tornarmos iguais a seu amado filho Jesus Cristo.

TAREFAS PARA O JEJUM DE ISAÍAS

2º DIA (terça) – 22/01/2013

Espiritual:  Começar o dia com Deus é sempre um bom conselho. Leia sobre as obras da carne em Gálatas 5: 19-21 e veja se há alguma em sua vida.

Relacional: Vasculhando o coração, é comum encontrarmos pequenos ressentimentos, invejas, mágoas, e amarguras que nem sabíamos que estavam lá. É bom limpar isso tudo, fazer uma faxina emocional e tirar tudo o que não presta. O melhor produto para essa limpeza chama-se perdão. A Palavra de Deus diz que a humildade precede a honra. Pedir perdão é um ato de humildade, e pode curar o coração de uma pessoa ofendida. Pense em quem você possa ter ofendido recentemente, ou mesmo há muito tempo, e ainda não ter pedido perdão. Humilhe-se, você será honrado.

Jejum:  Coma hoje apenas arroz, feijão, frutas, legumes, e verduras. (Não coma carne)

IMPORTANTE: Que tal convidar uma pessoa para se juntar a você nesse propósito? Façam uma dupla, animem um ao outro.

 

JEJUM DE ISAÍAS – 1º DIA – 21/01/2013

janeiro 21, 2013 in Pra Cristina Medeiros

O JEJUM DE ISAÍAS

Texto Base: Isaías 58

Senhor, perdoa-me quando eu deveria orar e não orei, perdoa-me quando deveria pedir perdão e não pedi, perdoa-me quando eu deveria me arrepender e não me arrependi, perdoa-me quando eu deveria Te adorar e não O adorei, perdoa-me quando eu deveria agradecer e não agradeci, perdoa-me quando eu deveria te buscar mais e não busquei, perdoa-me pelas vezes em que coloquei o Senhor em segundo plano e tentei fazer as coisas do meu jeito. Pai, ensina-me a ser quem Tu queres que eu seja. Amém

1º DIA. VERSÍCULOS 01 E 02:

“Clama em alta voz, não te detenhas, levanta a tua voz como a trombeta e anuncia ao meu povo a sua transgressão, e à casa de Jacó os seus pecados. Todavia me procuram cada dia, tomam prazer em saber os meus caminhos, como um povo que pratica justiça, e não deixa o direito do seu Deus; perguntam-me pelos direitos da justiça, e têm prazer em se chegarem a Deus.”  Isaías 58:1-2

Mais do que “jejum”, o assunto desse texto é sobre comunhão com Deus e com o próximo.

Clama em alta voz – Mais que um simples berro, uma “proclamação, um chamamento, algo lido em voz alta”. A Septuaginta traduziu­o para o grego anaboeson, cuja raíz significa chorar. Isso nos dá a primeira lição a respeito do texto. Devemos proclamar para o povo de Deus essa verdade, ou seja, o jejum verdadeiro, tema do texto de Isaías, não é algo para ser apenas feito, mas proclamado, denunciando o que é errado e estabelecendo-se o certo. A voz do SENHOR tem de ser ouvida. Mas, segundo a interpretação dos gregos, deve­se também chorar pela restauração do verdadeiro jejum. Esse texto nos exorta a levantar a voz com todas as forças que possuímos, e em seguida apontar um pecado cometido pelo nosso povo.

“Levanta tua voz como a trombeta”  – a palavra para trombeta no original hebraico é shophar, e quer dizer “chifre de carneiro”. O chifre significa autoridade, poder, força. A primeira vez em que o shophar  apareceu foi no Monte Sinai, quando Deus está falando com Moisés (Ex 19.16). O povo, ao ouvir esse som (aliado com os trovões, relâmpagos e o fogo no monte) tremeu assustado (Ex 20.19). A partir de então passaram a ligar o som da trombeta à voz de Deus (Ap 4.1). Quando ela soava, algo importante e crucial estava para acontecer, como os milagres da queda das muralhas de Jericó (Js 6.5,20) e da vitória dos israelitas contra os midianitas (Jz 7.22); a convocação do povo por Eúde (Jz 3.27) e para o arrependimento (Jl 2.15); o o anúncio de algo, como o fez Saul (I Sm 13.3), avisando ao povo do ataque aos filisteus; a coroação de reis, como Salomão (1 Re 1.34,39). Era uma maneira de chamar a atenção para algo em que todos deveriam se reunir (Is 27.13). Havia ainda a Festa das Trombetas, que dava início ao Ano Novo, realizada no primeiro dia do sétimo mês (para nós, entre Setembro e Outubro). Era uma festa que colocava o povo diante do SENHOR para receber o seu favor. Dez dias depois era realizado o Dia da Expiação, quando todo o povo deveria se humilhar e jejuar. Nesse dia, o Sumo Sacerdote adentrava o Santíssimo Lugar no Tabernáculo para purificação do povo.

Quando o SENHOR diz para Isaías levantar a voz como trombeta Ele lhe dá a devida autoridade para chamar a atenção do povo com grande força. Era responsabilidade dele mostrar a todos esta mensagem. É responsabilidade nossa viver o que Isaías pregou nesse capítulo e também mostrar aos demais a maneira correta de se jejuar.

E diante disso nossos corações devem encher de temor por aquilo que o SENHOR nos pretende revelar em sua Santa Palavra a respeito de um tema hoje tão negligenciado por todos nós: a prática do Jejum.

No versículo dois vamos nos focar numa questão crucial: a quem esses versos se referem? A Israel! E quem é quem representa, nos dias de hoje, simbolicamente a Israel? Segundo os textos de Romanos 9.6­8; Gálatas 6.16; Colossenses 2.17 e Hebreus 10.1, somos nós, a Igreja de Jesus Cristo.

Quantos de nós já procuramos com muita devoção a Deus? Buscando com coração sincero sua justiça, sua proximidade?

Isaías 58 vai nos levar a rever nossos conceitos de adoração a Deus, não só apenas no jejum, mas em toda a vida. A título de reflexão, propomos a leitura de três graves avisos da Bíblia sobre reverência a nosso Deus, que partiram de Isaías e foram parar nos lábios de nosso SENHOR Jesus Cristo: “Porque o Senhor disse: Pois que este povo se aproxima de mim, e com a sua boca, e com os seus lábios me honra, mas o seu coração se afasta para longe de mim e o seu temor para comigo consiste só em mandamentos de homens, em que foi instruído.” Isaías 29:13

“Este povo se aproxima de mim com a sua boca e me honra com os seus lábios, mas o seu coração está longe de mim.  Mas, em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos dos homens.”  Mateus 15:8-9

Que o Espírito Santo de Deus possa penetrar no mais íntimo de nossos corações e retirar de lá todo o ensinamento humano e carnal acerca do jejum e revelar-nos a vontade do SENHOR para nossas vidas nesse e em todos os aspectos, para que possamos serví­lo com toda reverência, santidade e integridade que Ele merece.

TAREFAS PARA O JEJUM DE ISAÍAS   

1º DIA (segunda) – 21/01/2013

Espiritual:  Começar o dia apresentando seus planos da semana para Deus. Leia Isaías 58.

Relacional: Contatar um familiar ou amigo com quem você não fala há muito tempo.

Jejum:  Não coma nenhum tipo de doces.

Autoridade de Jesus

janeiro 19, 2013 in Ramon Martins Medeiros

Hoje estamos numa comunidade em que tudo pode ser feito, tudo pode acontecer e tudo pode ser dito. As coisas não podem ser julgadas como erradas.

Como chegamos até aqui?

Chegamos até aqui porque fomos aceitando e dando espaço a todo tipo de crença e pensamento que nos foram sendo propostos.

É interessante ver que ainda existem pessoas que acham que matar outras pessoas é errado, mas tem gente que mata e diz que matou mesmo que mata e que não está nem aí.

 

A humanidade foi afastando Jesus dos ensinamentos de certo e errado, ou seja, tais coisas são erradas até que eu precise fazer alguma delas. E por que isso é errado? Se esquecem que Jesus disse que é errado.

O diabo não é contra a boa moral, ele é contra Jesus.

Antes, namorar pegando na mão era errado, depois podia pegar na mão mas não podia beijar, depois já podia beijar mas não ter relação sexual, depois podia ter relação sexual mas não podia ter filho sem casar. E hoje como está isso? Hoje o namoro tem que ter relação sexual senão não é namoro, e pode ter filhos sim, não precisa casar, nem precisa se conhecer bem.

 

Será que você cristão está vivendo de acordo com os ensinamentos de Jesus ou de acordo com a moral do mundo?

 

Muitos dizem que tem um bom caráter, que tem um bom coração, que são boas pessoas que não fazem mal para ninguém e tem muito crente dizendo: Conheço muitos mundanos que tem caráter melhor do que muitos cristãos! E quem disse que isso é suficiente para ir para o céu? Para ser salvo? Acorda meu irmão, deixa de ser doente e acorda para a vida. Seu caráter não te leva para o céu, pode ter certeza, só Jesus pode fazer isso! A mudança vem com o tempo, mas se você estiver querendo viver pela sua justiça, de acordo com o que você julga certo ou errado, vai seguindo nesse caminho para o inferno.

 

Não se contamine com o mundo, não se torne insensível ao pecado, não se acostume com ele porque isso com certeza vai te levar a pensar que não precisa de Jesus, pelo contrário, só precisa ser uma pessoa boa!

JEJUM DE ISAÍAS

janeiro 18, 2013 in Pra Cristina Medeiros

SHALOM;

SEGUNDA-FEIRA,  DIA  21/01/2013, INICIAREMOS O JEJUM DE ISAÍAS, SERÁ UMA JORNADA DE 07 DIAS. NO DOMINGO DURANTE O CULTO TEREMOS AS ORIENTAÇÕES E RECEBEREMOS AS APOSTILAS. NÃO FALTE AO CULTO. ESPERAMOS VOCÊ TAMBÉM PARA A ESCOLA BÍBLICA.

DEUS TE ABENÇOE!

PR. CARLOS E PRA. CRISTINA MEDEIROS.

FILHA CONTO COM VOCÊ!

janeiro 6, 2013 in Pra Cristina Medeiros

FILHA CONTO COM VOCÊ!

Quantas vezes pedi pra Deus contar comigo…mas quando chegou a hora…

***************

Quem se dispõe a cuidar das crianças e ensinar-lhes a palavra de Deus? Perguntou o pastor?
Eu senti Deus me dizendo:
- Filha, conto com  você!
- Mas Senhor, falar para tanta criança é uma coisa que não sei fazer!A dona Maria seria a pessoa ideal para esse trabalho.
ela tem  jeitinho com criança e não há o que ela não saiba fazer.
Eu prefiro ficar aqui no banco assistindo ás reuniões!

***************
Outro dia, sentada no banco ouvi o pastor dizer: Eu preciso de alguém para ficar na entrada da igreja recepcionando o povo com um sorriso.
Quem aceita essa tarefa?
Novamente Deus falou em meu coração:
- Filha, conto com você!
- Senhor, ficar falando com estranhos é coisa que não consigo fazer!Mas o João, Senhor, ele pode dar boas vindas ás pessoas.
Ele é extrovertido e simpático fará isso muito bem.Eu prefiro que alguém venha me cumprimentar aqui no banco.

***************
Outra vez, o pastor disse:
- Quem puder, venha ajudar a limpar a igreja nos sábados, estamos precisando de pessoas pra deixar a casa de Deus limpa.

Mais uma vez  Deus falou ao meu coração::
- Filha, conto com você!
- Mas Senhor, tenho minha casa pra cuidar, meu trabalho que me cansa, ainda faço um esforço pra vim no jejum de vez em quando,
o único dia que tenho pra descansar é no sábado e já chego procurando um banco para me sentar e descansar antes da reunião.
Além do mais já tem algumas obreiras e evangelistas que fazem isso.

Tem também a Ana que pode vim, com certeza ela tem muito mais tempo do que eu.
Os anos se passaram e eu nunca mais ouvi Deus falando em meu coração.

Certa noite ao dormir, sonhei estar na presença de  Deus juntamente com Maria,João, Ana
Então Deus nos falou:

- Eu preciso de três  servos para fazer um trabalho para mim.

Então clamei – Senhor, eu farei o trabalho.- Não há nada que eu não faria por ti.
… Mas Deus me respondeu:
- Obrigado, minha filha, mas sinto muito: aqui não há bancos!!!

Então eu  ACORDEI.

 

ENTREGUE 2013 NAS MÃOS DE DEUS!

janeiro 4, 2013 in Pra Cristina Medeiros

ENTREGUE 2013 NAS MÃOS DE DEUS!

 “Não vos lembreis das coisas passadas, nem considereis as antigas…
Eis que porei um caminho no deserto e rios no ermo.”
 (Isaías 43:18, 19).

Novo ano, vida nova!

E se a vida é nova, tudo o mais também precisa ser novo.

A fé e a expectativa precisam ser renovadas…

Pode ser que seu ano passado tenha terminado com muitas lutas.

Mas apesar de tudo, creia: Deus vai abrir caminho no deserto e rios no ermo.

Onde você nem esperava, Deus vai abrir portas. Ele vai fazer tudo novo.

Não importa como foi sua vida até agora, porque o passado ficou pra trás.

Novidade de vida, é isso que Deus tem pra você.

As lutas do passado não podem mais te prender, porque o Deus que você serve é um Deus de coisas novas. Por isso, decida agora viver o novo de Deus, já no início de 2013. Ele tem o melhor pra você.

Assim como guiou o povo no deserto, o Senhor vai guiar a sua vida, se você deixar, creia que Ele mesmo irá à tua frente.

Não temas! Deus está no controle.

Mas lembre-se: Deus age nas nossas vidas quando passamos o comando para as mãos Dele.

Entregue esse novo ano nas mãos de Deus, e Ele te conduzirá!

Entrega o teu caminho ao Senhor; confia nele, e ele tudo fará. Salmos 37:5

AMADURECIMENTO ESPIRITUAL

janeiro 4, 2013 in Pra Cristina Medeiros

Amadurecimento espiritual

“E disse a Jesus: Se tu és o Filho de Deus, dize a esta pedra que se transforme em pão” (Lucas 4:3).

Por muitas vezes a nossa fé é colocada à prova. Mas na Bíblia nós temos o exemplo perfeito de uma pessoa que foi colocada à prova e venceu. Quando Jesus foi tentado pelo inimigo no deserto, Ele soube muito bem como reagir em cada uma daquelas situações. E é interessante notar que, em todas as circunstâncias, Ele respondeu: “Está escrito”. Isso porque Jesus tinha como fundamento a Palavra de Deus, a Palavra do seu Pai.

Eu sei que em alguns períodos da vida parece que há um esgotamento da nossa fé. Mas essas aflições que você tem experimentado estão provando a sua fé. Todas as provações que você tem vivido foram permitidas por Deus, porque Ele quer o seu amadurecimento espiritual. Ele deseja moldar o seu caráter e fazer de você um servo fiel. Porque fé de verdade é aquela que suporta as aflições e as tentações da vida sem duvidar… Sempre crendo que o livramento chegará no momento certo.

Irmão Garotinho.

1º CULTO DE PRIMÍCIAS 2013

janeiro 4, 2013 in Pra Cristina Medeiros

FAÇA ALGO QUE MOVA O CORAÇÃO DE DEUS – ENTREGUE SEU CORAÇÃO PRA ELE

E NÃO SE ESQUEÇA, TEREMOS AQUELE CAFEZINHO MARAVILHOSO, CONTO COM SUA AJUDA!