Por carlos

Sacrifício

Leitura Bíblica: Salmo 50:1-23

“Ofereça a Deus em sacrifício a sua gratidão…” (Sl 50:14)

 

Nos tempos antigos a adoração era prestada por meio do sacrifício de animais; já hoje em dia a maneira como tradicionalmente as pessoas que temem a Deus pretendem homenageá-lo se dá por meio de cultos e louvores. Reunir-se para adoração conjunta ou celebração, cantar, tocar instrumentos, orar, erguer as mãos no louvor são algumas das manifestações exteriores usadas para expressar adoração.

Antigamente muitos achavam que bastaria apresentar sacrifícios de animais para que Deus deles se agradasse, mas ouviram dele: “Vocês acham que eu preciso disto?”  Talvez durante algum dos nossos cultos alguém escutasse a voz de Deus dizendo: “Parem com esse barulho! Vocês acham que porque cantam, levantam as mãos, reviram os olhos ou choram emocionados eu estou me agradando de vocês?” As expressões exteriores de adoração não são ruins em si mesmas, desde que correspondam a corações real e verdadeiramente rendidos a Deus.

As Escrituras insistem em mostrar que o importante no relacionamento com Deus é a coerência de vida: cumpra seus votos (sua promessas), diz ele. E ao ímpio, que apesar do discurso tem vida torta diante de Deus, ele diz: “Que direito você acha que tem de ficar recitando minha lei ou citando minha aliança? Você fica citando versículos bíblicos e postando textos sobre o meu amor, mas não me obedece e dá as costas às minhas palavras! Fala mas não faz!”

Ainda me lembro da história do traficante que dizia ter a proteção de Deus porque sempre recebia pastores em sua casa, que oravam por ele. Ele precisava, sim, de oração, mas para arrepender-se e mudar de vida! A aliança com Deus não diz respeito a conversa fiada, mas vida de verdade. Somos gratos a Deus? Nossa vida precisa demonstrá-lo no dia a dia, em cada passo do dia. – MHJ

O relacionamento com Deus precisa ser verdadeiro e não de palavras.

Presente Diário – 16-01-2014

Exército da Salvação convoca oração pela Síria

oracao-pela-siria

O líder geral do Exército da Salvação, André Cox, emitiu um apelo especial para que os cristãos no mundo orem pela Síria.

O país que foi devastado pela guerra foi o foco do Encontro Mundial de Orações do Exército de Salvação realizado nesta quinta-feira (12).

Relatórios das Nações Unidas afirmam que, cerca de cinco mil sírios fogem de suas casas todos os dias, com um total de dois milhões de refugiados que precisam de assistência.

Muitos deles procuraram refúgio na vizinha Jordânia, Líbano, Iraque, Turquia e Egito.

Segundo a ONU, mais da metade dos refugiados são crianças com menos de 17 anos de idade.

Cristãos em todo o mundo estão sendo convocados a passar 30 minutos em oração pelo país e pelas pessoas afetadas pela guerra civil.

André Cox disse que o Exército de Salvação havia sido convidado para participar e apoiar o esforço humanitário na Jordânia.

Funcionários da sede internacional em Londres estão trabalhando em parceria com outros representantes de organizações não-governamentais e uma equipe do Exército de Salvação.

“Desde os seus primeiros dias, o Exército de Salvação tem respondido às crises causadas por desastres naturais, fome e guerra”, disse André Cox

“Hoje, eu estou convidando pessoas em todo o mundo para orar pela paz na Síria e pelos funcionários eleitos em todo o mundo que estão a buscando maneiras de gerir a crise humanitária enorme que envolveu a região”.

Ele acrescentou: “Como líder mundial do Exército de Salvação, eu acredito que é nosso dever cristão responder à crise humanitária com atitudes práticas e oração”.

Pastor Marcos Pereira é condenado a 15 anos de prisão por estupro

Pastor-Marcos-pereira

A Justiça condenou em primeira instância o pastor Marcos Pereira a 15 anos de prisão por estupro de uma fiel da Assembleia de Deus dos Últimos Dias (ADUD).

O julgamento aconteceu na 2ª Vara Criminal de São João de Meriti, na Baixada Fluminense, e refere-se a um dos casos em que o pastor é acusado de abuso sexual. A decisão ainda é passível de recurso.

De acordo com os autos do processo, o estupro aconteceu no final de 2006, dentro da igreja. “A primeira vez que ele me pegou, eu levei um bom tempo até a ficha cair. Ele me pegou desprevenida. Eu tinha medo dele, né? Fiquei sem reação”, disse a vítima, segundo informações do jornal O Povo.

“As testemunhas ouvidas relatam com firmeza como o acusado é uma pessoa manipuladora, fria, só pensa em si, utilizando-se das pessoas para satisfazer seus instintos mais primitivos e de forma promíscua, utiliza da boa-fé das pessoas para enganá-las. Pelo exposto e por tudo que dos autos consta, julgo procedente a pretensão punitiva para condenar Marcos Pereira da Silva, como incurso nas penas dos art. 214 c/c art. 226, II, ambos do Código Penal”, afirmou a juíza Ana Helena Mota Lima Vale em sua sentença.

Uma das testemunhas afirmou em depoimento durante o julgamento que tinha medo de deixar a igreja e ser morta a mando do pastor.

Marcos Pereira está preso no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, zona oeste do Rio de Janeiro, desde o dia 08 de maio sob acusação de estupro e coação de testemunhas.

Nota Oficial

A ADUD divulgou uma nota oficial comentando a condenação de seu líder fundador. A denominação demonstrou surpresa com a sentença anunciada pela juíza do caso, e afirma esperar que “a inocência do pastor” seja provada, pois Marcos Pereira foi “condenado com base nos depoimentos de supostas vítimas, sem que nenhuma prova fosse apresentada”.

Leia a íntegra da nota:

Fomos surpreendidos pela sentença de condenação do nosso Pastor Marcos Pereira divulgada nesta quinta-feira pela Segunda Vara Criminal de São João de Meriti-RJ. Ressaltamos que esta condenação se deu em primeira instância e, portanto, não é definitiva, cabendo recursos e até a anulação da mesma, tendo em vista as contradições na condução do processo que não está na fase Transitado e Julgado.

Confiamos na verdade, que a inocência do nosso Pastor serà provada. O conteúdo da sentença diz que nosso Pastor foi condenado com base nos depoimentos de supostas vítimas, sem que nenhuma prova fosse apresentada. Se antes nosso Pastor estava “PRESO SEM PROVAS”, agora ele foi (em primeira instância) “CONDENADO SEM PROVAS”. Esta condenação não apaga as DIVERSAS ILEGALIDADES cometidas na condução do inquérito e do processo, além do cerceamento de defesa de que nosso Pastor está sendo vítima. Provas ilegais, tentativa de coação de testemunhas gravada, suposta vítima que revelou em juízo que foi coagida a depor contra o Pastor, mas que, na verdade, nunca foi estuprada, a exposição exagerada e imediata na mídia e a parcialidade nas investigações são fatos que põem em xeque a real situação do processo legal. Confiamos em Deus. Ele é nosso refúgio e fortaleza nos momentos de angústia. ESTAMOS COM NOSSO PASTOR MARCOS PEREIRA, SABEMOS QUE ELE É INOCENTE. Seguimos a obra de Deus com humildade, paciência e esperança. A campanha EU AMO MEU PASTOR está de pé. Nosso mestre Jesus foi condenado. Basta ao discípulo ser como seu mestre. Pastor Marcos Pereira, tu és homem de Deus, Ungido do Senhor. Guardadas as Debora’s proporções, os profetas e apóstolos também foram perseguidos, experimentaram escárnios e acoites, e até cadeias e prisões. Foram apedrejados, serrados, tentados, mortos ao fio da espada, desamparados, aflitos e maltratados. Homens dos quais o mundo não era digno, como a Bíblia diz em Hebreus 11:36-38. FORÇA ADUD, FORÇA PASTOR MARCOS PEREIRA, AS SUAS OVELHAS CONHECEM O SEU PASTOR! “Portanto, agora, nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o espírito.” Rm 8:1

Fonte: http://www.portalfiel.com.br/noticias/3922-pastor-marcos-pereira-e-condenado-a-15-anos-de-prisao-por-estupro.html

Cristãos estão sendo decapitados na Síria

cristaos-estao-sendo-decapitados-na-siria

Após a tomada da cidade de Maaloula, um novo capítulo tem sido escrito na situação de guerra que vive a Síria. De maneira intrigante, a grande mídia silencia sobre o massacre bárbaro e diário dos cristãos. Enquanto muçulmanos alauitas e sunitas brigam pelo poder, quem mais sofre são os cristãos.

Como em toda guerra, surgem muitas informações desencontradas, mas entre os relatos existe uma consistência. As tropas rebeldes, que lutam contra o governo de Bashar al-Assad, são treinadas pela Al Qaeda e financiadas indiretamente pelo governo dos EUA. Possivelmente por isso a “grande mídia” deixe a questão dos cristãos convenientemente de lado.

O fato é que milhares de pessoas têm morrido ao longo desses dois anos e meio de conflitos étnicos e religiosos. De maneira quase unânime, quando se fala ou mostra a morte de soldados leais ao presidente, elas ocorrem por fuzilamento. Quando são cristãos, a forma padrão parece ser decapitar e expor a cabeça em público.

A conquista de Maaloula pelos rebeldes foi marcante pois ali vivia uma das mais antigas comunidades cristãs do mundo, onde ainda se fala o aramaico, língua usada por Jesus . Situada a 50 quilômetros da capital Damasco, a pequena cidade de 3 mil pessoas ficou quase deserta. Estima-se que 80% da população, a maioria de cristãos ortodoxos e católicos, refugiou-se em cidades vizinhas. Mas não sem ver antes a maioria de suas igrejas e casas serem saqueadas, queimadas e ouvirem a ameaça que todo aquele que não se converter ao Islã teria a cabeça cortada.

O avanço dos rebeldes na área foi liderado por Jabhat al-Nusra, ligado a grupos jihadistas islâmicos. A liderança da Frente de Libertação Qalamon se mudou para a aldeia, agora cerca de 1.500 soldados de grupos liderados pela Al-Qaeda estão na pequena Maaloula.

A tomada da aldeia enviou duas fortes mensagens ao mundo: os rebeldes estão mais próximos que nunca de tomarem a capital e os rebeldes extremistas muçulmanos tentarão eliminar os cristãos da Síria.

Muitos dos habitantes que ficaram estão experimentando o horror diariamente. Segundo o site Sky News, da Inglaterra, esta semana três cristãos foram mortos em praça pública e seu enterro se transformou em uma verdadeira passeata de protesto. A grande concentração foi na parte antiga da cidade, que segundo a tradição foi onde o apóstolo Paulo parava em suas viagens até Damasco. O cortejo foi até a igreja ortodoxa Zaytoun, onde fizeram o culto fúnebre. Enquanto os sinos badalavam, partiram para o cemitério.

Mulheres vestidas de negro jogavam grãos de arroz no ar, uma forma tradicional de demonstrar luto. Um pequeno grupo tocava tambores e, em meio ao choro se ouviam gritos. Uma mulher perguntava: “É isso que vocês chamam de democracia… isso é o que o governo quer?”, enquanto um homem fazia gestos obscenos e gritava palavrões contra o presidente Obama e o premiê inglês David Cameron.

Hoje, outras imagens chocantes correram o mundo. São da cidade de Keferghan, onde quatro jovens cristãos foram decapitados publicamente. Um fotógrafo que não quer se identificar, fez imagens que foram publicados pelo site da revista Time. Embora a revista não confirme, outras fontes alegam que o que motivou a morte deles foi sua fé.

Ele fez uma narrativa breve, mas chocante, do que presenciou:

“Eu vi uma cena de crueldade absoluta: um ser humano sendo tratado de uma maneira que nenhum ser humano jamais deveria ser tratado… Eu não sei quantos anos a vítima tinha, mas era jovem. Eles o forçaram a ficar de joelhos. Os rebeldes ao seu redor liam os seus ‘crimes’ listados em um pedaço de papel. Eles o cercaram. O jovem estava com as mãos atadas. Ele parecia congelado. Dois rebeldes sussurraram algo em seu ouvido e o jovem respondeu de uma forma inocente e triste, mas eu não conseguia entender o que ele disse… No momento da execução, os rebeldes agarraram sua garganta. O jovem reagiu, mas três ou quatro rebeldes conseguiram imobilizá-lo. Ele tentou proteger a garganta com as mãos, que ainda estavam amarradas. Tentou resistir, mas os rebeldes eram mais fortes e cortaram sua garganta. Depois, levantaram a cabeça. As pessoas aplaudiram. Todo mundo estava feliz porque a execução aconteceu”.

Muitos estudiosos das profecias cristãos e muçulmanos acreditam que a segunda vinda de Jesus está ligada à cidade de Damasco, capital da Síria. A crescente ameaça de guerra dos sírios contra outros países gerou uma série de análises nesse sentido.

Em comum entre as previsões está o iminente retorno de Cristo. Da parte dos cristãos, alguns apontam para Isaías 17:1. Para alguns, pode ser um prenúncio do Armagedom, a batalha final.

Entre os sírios prevalece a tristeza pelos milhares de mortos e feridos, mas para milhares deles a esperança na vida eterna se fortalece. As agências cristãs têm oferecido ajuda material, emocional e, acima de tudo, espiritual para os refugiados nos países vizinhos. Milhares de muçulmanos estão ouvindo o evangelho livremente, alguns pela primeira vez na vida. Existem muitos testemunhos de conversões.

Fonte: http://www.portalfiel.com.br/noticias/3925-cristaos-estao-sendo-decapitados-na-siria.html

Jovens são presas após se beijarem em culto de Marco Feliciano em SP

Feliciano1

Duas estudantes, de 18 e 20 anos, foram presas na noite deste domingo, após se beijarem durante evento evangélico realizado em São Sebastião, litoral norte de São Paulo. O protesto foi realizado enquanto o pastor e deputado federal Marco Feliciano (PSC/SP) iniciava sua pregação a cerca de dois mil fiéis. Para o evento, um forte esquema policial foi montado pelas polícias Civil, Militar e Guarda Civil Municipal (GCM) com intuito de evitar manifestações durante o 5º Glorifica Litoral, que estavam programadas para ocorrer durante o culto com o deputado.

— Essas duas precisam sair daqui algemadas —, bradou Feliciano, sob aplausos dos evangélicos, que assistiram à cena por meio de dois telões.

Do palco, o deputado instruía os policiais a localizarem as jovens em meio à multidão. Joana Palhares, 18, e Yunka Mihura, 20, foram cercadas, detidas e algemadas por guardas municipais e encaminhadas para o 1º Distrito Policial de São Sebastião. Elas foram liberadas após prestarem depoimento. A atitude gerou revolta em um grupo de 10 pessoas que acompanhava as duas jovens.

Antes de serem encaminhadas para a delegacia, elas foram levadas para debaixo do palco, onde Joana afirmou ter sido agredida por diversos GCMs.

— Só pararam porque a Yunca gritou muito.

Segundo ela, Yunca chegou a ser jogada pelos GCMs para o lado da grade que separava o palco do público. Na delegacia, após passar por exame de corpo delito, Joana, que tem corpo franzino, apresentava diversos hematomas nos braços e nas costas.

— Eles (guardas) simplesmente me jogaram na grade e depois nos levaram para debaixo do palco, onde fui agredida por três guardas e ainda levei dois tapas na cara, mesmo algemada. Tudo isso por causa de um beijo —, queixou-se Joana.

— Foi uma atitude completamente injusta, me senti impotente enquanto a Joana apanhava e eu não podia fazer nada. Mas vários casais heterossexuais estavam se beijando normalmente no evento —, relatou Yunca.

Denúncia

O advogado Daniel Galani, que representou as jovens, disse que irá formalizar uma denúncia contra o deputado na Comissão dos Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

— Foi uma afronta gravíssima aos direitos humanos e ao direito à livre expressão. Como o deputado tem foro privilegiado, vamos ver como a OAB pode interferir nesta questão.

Um boletim de ocorrência foi registrado pelas estudantes contra os guardas municipais que participaram da ocorrência.

— Vamos apresentar também uma denúncia na corregedoria da Guarda Municipal para que apure o caso.

Ainda segundo o advogado, as estudantes não mantêm relacionamento homoafetivo. Apenas se beijaram para se manifestarem contra a posição preconceituosa do deputado.

“Perseguido”

Enquanto as estudantes prestavam depoimento na delegacia, Marco Feliciano condenou a atitude das estudantes. Com todo o público a seu favor, disparou críticas contra as jovens e seus respectivos pais.

— O que pensam os pais dessas meninas que vêm a um culto para beijar outra mulher? Esses baderneiros terão o troco no ano que vem, pois seremos a maior bancada evangélica da história no Congresso.

Feliciano também criticou a imprensa.

— Se os jornais publicarem matérias e derem razão para esses baderneiros, vou convocar uma grande manifestação nas portas desses jornais para protestarmos na próxima terça-feira.

Ele se disse “perseguido” e “humilhado” pela mídia. A reportagem tentou e não conseguiu contato com o deputado. Em sua conta pessoal no Twitter, Feliciano postou às 16h08 três mensagens em que apenas transcreve o art. 208 do Código Penal Brasileiro. “Escarnecer de alguém publicamente, por motivo de crença ou função religiosa; impedir ou perturbar cerimônia ou prática de culto religioso; vilipendiar publicamente ato ou objeto de culto religioso: pena detenção, 1 mês a 1 ano ou multa. P.U. Se há emprego de violência, a pena aumenta de 1/3, sem prejuízo da correspondente à violência”, escreveu o deputado.

UMA VIDA DE JEJUM PELA VOLTA DO REI

“Mas chegarão os dias em que o noivo lhes será tirado; naqueles dias jejuarão” Lucas 5:35

Não são poucas as pessoas que tem dúvidas ou controvérsias a cerca da prática do jejum. Apesar de ser uma disciplina milenar e de estar em toda a Bíblia, desde o Velho até o Novo Testamento, não é só nela que vemos o jejum. E mesmo tendo sido com os judeus e cristãos que muitos aprenderam a jejuar, sabemos que diversas religiões também praticam a abstinência.

Os monges budistas, por exemplo, jejuam como um método de purificação e de alcance para ioga. Já nas altas castas hindus, severos jejuns são observados como formas de sacrifícios e de ajuda para concentração. Assim como no calendário judeu, os mulçumanos também possuem uma data específica para um jejum coletivo: o Ramadã. No nono mês, eles comemoram o período em que o alcorão foi revelado a Maomé. Mas existem também jejuns históricos, que marcaram a história devido à sua intenção totalmente política, como o de Mahatma Gandhi que jejuou longos dias para fortalecer uma greve e se enfraquecer diante do seu inimigo.

Jejum na Bíblia
Nos casos bíblicos, vemos inúmeras situações que levam o povo ou um indivíduo a jejuar.
O jejum de Ester é um dos mais famosos da bíblia. Muitos já conhecem esta história: uma situação drástica está rondando o povo de Deus em Susã e a rainha Ester, uma judia escondida no reino, convoca os judeus que estão à beira da morte para um jejum coletivo.

Além desta história, as escrituras estão encharcada de outras, como a de Daniel, que depois de receber uma forte revelação de Deus, quase que involuntariamente permanece chorando e de jejum de comida agradável por três semanas. Moisés é outro exemplo, quando o profeta foi receber a lei no monte, passou quarenta dias e quarenta noites “sem comer pão, nem beber água”.

O povo de Israel, na época em que estava para sair da Babilônia e antes de voltar para Jerusalém, realiza um grande jejum convocado por Esdras. O objetivo é se humilhar diante de Deus e pedir uma viagem segura. O que dá certo. Já no Novo Testamento, após ouvir a voz de Jesus e de uma conversão drástica, Paulo passou três dias sem comer e sem enxergar. Outro jejum interessante é o da viúva e profetiza Ana. A bíblia diz que ela passou quase 84 anos viúva, não se afastava do templo e dia e noite cultuava à Deus com jejum e oração.

O motivo do jejum
Mas em resumo, independente de ser cristão ou não, existe um verdadeiro motivo comum à todos: a insatisfação. O jejum só é feito quando há insatisfação. Ninguém que está plenamente satisfeito se preocupa em sentir, propositalmente, a dor da fome e da fraqueza. Então esta é a base do jejum: o incômodo. Em outras palavras, jejuar é se colocar em uma posição fora do normal, uma posição de protesto. Eu estou tão insatisfeito que eu perco a fome ou deixo de comer.

E neste caso, podemos dizer que é o mais alto nível de insatisfação, porque se trata da ausência de comida. Você pode viver sem muitas coisas (sem falar, sem ouvir, até sem andar), mas não sem comer. Então a intenção do jejum é dizer “é isso ou a morte”. E é exatamente o que vemos com a Rainha Ester e o Povo de Israel, eles estavam entre a vida e a morte. Eles estavam totalmente insatisfeitos, para não dizer desesperados e protestaram diante de Deus. Pediram. Se humilharam, arriscaram a vida.

Outros motivos
Existem basicamente dois motivos quando alguém jejua. O primeiro é a insatisfação e protesto – o que falei anteriormente. Mas existe também a necessidade de libertação dos desejos da carne e da alma. E a intenção do jejum, neste caso, é que meu espírito domine minha alma. Então eu me abstenho intencionalmente de algumas práticas e da comida, principalmente, mostrando para minha carne que não é ela que manda. Isso se chama disciplina espiritual. Apesar de muitos não saberem lidar com isso, é algo muito interessante e tem seu lugar na vida cristã. Richard Foster fala que “O jejum sonda para ver onde está o nosso coração. Mais do que qualquer outra disciplina, o jejum revela as coisas que nos controlam”.

O verdadeiro Jejum
De certa forma nós vemos esses dois motivos presentes em todas as religiões. Mas o que difere o jejum cristão de todos os outros jejuns? O que caracteriza o verdadeiro jejum? Como disse, a base o jejum é o incômodo, é a tristeza por algo que está errado. Existem jovens que tem jejuado, por exemplo, contra o aborto. Eles estão certos, há algo errado. Mas o verdadeiro jejum é aquele que sabe que as coisas estão erradas porque Jesus ainda não está aqui.

Deus tem um plano, ele já enviou seu filho para Terra, já fez muitas coisas, inclusive enviar o Espírito Santo. Mas ainda não é o fim. As coisas ainda não estão bem. Apesar de termos um mundo totalmente confortável -com internet wirelless, ar condicionado, carros cada vez mais velozes, e ipods cada vez mais modernos – tudo isso é uma ilusão. O objetivo final de Deus não é nos satisfaçamos com as riquezas deste mundo. O objetivo de Jesus é que nos satisfaçamos com o Reino do Seu Pai. Um verdadeiro estilo de vida de jejum, não é de uma vida cega que jejua por jejuar, mas é como Daniel que reconhecia a Babilônia, enxergava as iguarias e não se contaminava. Daniel não quis achar satisfação na mesa do mundo.

Muitos de nós estamos tão satisfeitos com este mundo e com os falsos confortos que ele nos oferece, que nem ao menos somos capazes de perceber que ainda continuamos famintos por Deus. Indo à igreja, mas famintos por Deus. Se estivermos nos divertindo com os brinquedos do mundo, nunca vamos sentir a falta de Jesus. Jesus espera que seus discípulos e a sua noiva fiquem insatisfeitos com sua ausência. Espera que eles sintam sua falta.

Os Amigos do Noivo Jejuarão
“E disseram-lhe: Os discípulos de João jejuam com freqüência e fazem orações, como também os dos fariseus, mas os teus estão sempre comendo e bebendo. Jesus lhes respondeu: Acaso podeis fazer jejuar os convidados para o casamento enquanto o noivo está com eles? Mas chegarão os dias em que o noivo lhes será tirado; naqueles dias jejuarão” Lucas 5:33 à 35

Existiram dois momentos “quase” na história. Um foi quando Jesus esteve na Terra. Aquele foi um momento incrível! Jesus, o filho de Deus, a expressão do Pai estava com os pés em Terra, estava andando no meio da humanidade. Mas o contraste é que a humanidade não estava preparada para recebê-lo. Muitos o rejeitaram e inclusive, aqueles que andavam com Ele, não entendiam nem o que ele falava. A verdade é que este momento parecia um desperdício: Jesus (a palavra de Deus) andava com um bando de homem tapado, sem visão, que soube pouco como aproveitá-lo.

O segundo momento “quase” é são os dias de hoje. Agora o Espírito Santo foi enviado e a cada dia estamos sendo capacitados para entender, conhecer e estarmos mais semelhantes à Jesus. Agora conseguimos entender o que ele falava, mas Ele não está mais andando entre nós. Agora que podemos ter comunhão com Ele, só podemos fazer isso em oração. Somos como namorados à distância. Quando ele estava em nosso meio não conseguíamos sentir muita coisa, mas agora que ele se foi conseguimos perceber o quanto que sua presença valia para nós.

O desejo do Pai é unir as duas coisas, Jesus fisicamente entre nós e nós preparados para amá-lo como ele merece. Esse é o casamento do cordeiro. O Pai não está satisfeito com os dias de hoje. Muitos cristãos acham que converter, conhecer a cruz e ter os dons do Espírito é tudo, mas para o Senhor este ainda não é o fim. O fim – ou melhor, o começo – da história é quando Jesus estiver fisicamente em nosso meio.

Em Lucas 5: 33 à 35, Jesus está querendo dizer que você não deve rir quando é para chorar e nem chorar quando é para rir. Ele quis dizer “não confunda”, “minha primeira vinda é para prepará-los”. Jesus é o verdadeiro noivo, ele conquista para depois voltar. Não devemos parar na cruz, a cruz é o meio que ele nos conquistou. E a sua conquista gera em nós o desejo pela sua volta.

Tornando-se o amigo que sente Saudades
O jejum fala do básico que é a comida. E Paulo condena aqueles que têm a comida como deuses (Fl 3:19) Aquilo que nos domina é nosso deus. O que tem nos dominado? Jesus veio à Terra para nos libertar do pecado, nos deixar livre para ele. Este é o primeiro passo, conhecer a jornada de Cristo na Terra para nos libertar para Ele. O segundo passo é quando, depois de libertos, somos como uma Noiva apaixonada, como Amigos que sentem tanta saudade, que as coisas do mundo perdem o brilho. Não há como sentir saudades de Jesus, se antes você não estiver apaixonado por Ele e por sua Jornada. Primeiro precisamos ser conquistados pelo Noivo.

Quando Jesus fala para seus discípulos, em Lucas 5:34, ele se coloca como Noivo e nos coloca como Noiva. Uma verdadeira noiva perde a fome por amor. O melhor exemplo na bíblia de uma verdadeira noiva está no fim de Cantares, no capítulo 7, versículo 14. E ela diz “Vem depressa!”. A coisa que mais uma noiva quer é estar com o seu noivo. Jesus não veio à Terra para nos conquistar para o mundo, Ele veio para nos conquistar para Ele. E ele deseja que sintamos a sua falta. Mas Jesus como um noivo fiel também responde à sua noiva. Você quais são as ultimas palavra de Jesus na Bíblia? Está em Apocalipse 20:22, ele diz “Certamente venho logo”.

John Piper, autor do livro, Fome por Deus conta que ele namorava a distância e recebia cartas na hora do almoço. Ele sentia tantas saudades de sua namorada, hoje sua esposa, que perdia a fome e preferia sentar e ler as cartas que recebia dela, do que sentar com os amigos para almoçar. Sua conclusão no livro, também é minha conclusão: o verdadeiro jejum é aquele que sente saudades de Jesus e que está consciente de que as coisas não estão bem porque Ele ainda não está aqui. (Sl 102:4/ 73:25)
“Nós desejamos a volta física de Jesus mais do que desejamos terminar a nossa carreira profissional? Ou concluir os planos familiares? Ou até a nossa próxima refeição?” John Piper

Quando Davi disse e decidiu “Não darei descanso aos meus olhos”, ele estava vivendo estilo de vida de jejum. Ele tinha visão e estava tão apaixonado pela visão, que desconsiderou seu próprio sono. Ele se fez amigo de Deus e como se dissesse: “Se Deus não dorme eu não irei dormir”. Naquela época Deus estava sem lugar para morar e Davi, por ser amigo íntimo de Deus assumiu a sua causa.

Deus quer morar na Terra, mas Ele ainda não está entre nós. Hoje ele está procurando amigos que assumam a sua causa, que sintam saudades do seu Filho e doem a vida pela Sua Volta e o Seu Reino.

O jejum de Cristo
Em Mateus 26:27 à 29, na última ceia de Jesus está escrito:
“E, tomando um cálice, rendeu graças e o deu a eles, dizendo: Bebei dele todos, pois isto é o meu sangue, o sangue da aliança derramado em favor de muitos para o perdão dos pecados. Mas digo-vos que desde agora não mais beberei deste fruto da videira até aquele dia em que beberei o vinho novo convosco, no reino de meu Pai”.

Jesus fez uma promessa. Ele disse que não tomaria mais vinho até “aquele dia”. Jesus também está de jejum. Ele está ansioso, desejoso por beber o novo vinho conosco no Reino do Seu Pai. Depois que morreu e ressuscitou, Jesus ainda apareceu por 40 dias aos discípulos e comeu com eles. Mas não tomou vinho e nem tomará até “aquele dia”. Vinho fala de alegria, e de certa forma, Jesus não está alegre. Ele está ansioso e reservando sua alegria para o dia em que estaremos com ele.

Dana Candler, em uma de suas pregações sobre o “Lamento pelo Noivo” fala sobre como estava o coração dos discípulos, especialmente de João, quando viram Jesus subir aos céus. Eles eram amigos próximos de Jesus, andaram com ele todos os dias durante 3 anos, você acha que eles não choraram com saudades? Apesar do Consolador, é claro que o coração deles doía com saudades daquela pessoa tão atraente. E quantas vezes, depois de anos eles não sentiram a falta de Jesus. Este era o motivo deles falarem e ansiarem tanto pela Sua Vinda: saudade.

Igreja Evangélica Jesus Paz e Vida – Direitos Reservados.